3 de fevereiro de 2016

Gratidão por tudo


Eu me lembro quando entrei a primeira vez nessa rotina médica. A Jaque era recém nascida. Eu fiquei perdida com a complexidade de informações nas quais deveria colocar dentro da minha cabeça. Fiquei parecendo um bichinho assustado, queria sair correndo, e pensar que tudo poderia mudar e ser diferente. Muitas vezes me culpei. Chorei e sofri. Mas qual mãe não faz isso? Ser mãe é aprender todo dia! 

Com o passar do tempo, coisas foram superadas tanto clinicamente como emocionalmente por mim e por ela. Outras coisas, outras dificuldades e outros cuidados foram aparecendo. Muitas vezes nós mães temos uma missão além de ser mãe. Temos a sensação de impotência, nos sentimos muito pequenas, por mais que abracemos nossos filhos constatamos que nós não conseguimos tudo. Que temos que decidir coisas como se fosse juízas, temendo errar, prejudicar, mas vamos percebendo que os caminhos vão se esclarecendo e temos então o dissernimento com a ajuda do intuitivo, divino, profissional para decidir ou não algumas coisas.

Eu, tinha medo de não dar conta do recado. Quantas vezes chorei achando que não seria capaz? Quantas vezes algumas "novidades" me deixaram em choque, me deixaram perdida e assustada.
Quem tem filhos especiais sabe muito bem que obstáculos novos podem surgir, e em contrapartida evoluções maravilhosas também!

Hoje, quando eu entro no Hospital, muitas vezes naquela correria não tenho a dimensão do quanto a minha filha é amparada. Às vezes o atendimento de alguns poucos funcionários ou médicos deixam a desejar, existem falhas, mas nunca fiquei sem saída

Quando um momento difícil acontece, em primeiro momento não é fácil. Mas depois me lembro por tudo que superamos juntos, eu ela e meu marido. Então hoje a minha reflexão é sobre olhar as coisas que conquistamos, que vencemos, e apesar de outras, tudo tem um jeito e uma solução. E seguir agradecendo. Porque desafios, fraquezas, tristezas e lágrimas podem acontecer, mas tudo passa, e nada disso é em vão.

Muitas coisas me assustam. Não sou forte o tempo todo, mas tenho a força que nem eu sei dentro de mim. Acredito na minha filha, acredito em Deus, acredito nas mãos que nos amparam e braços que nos acolhem. Sou eternamente grata a todas as pessoas que passaram por nossas vidas. As boas e as más. Me ensinou, me fortaleceu. Ouvi e fui ouvida. Muitas vezes fui mais médica do que mãe, e tive que ser sangue frio (apesar do meu coração sangrar). Aprendi e ensinei profissionais. Tenho certeza que fiz a diferença de alguma forma pelo retorno que essas pessoas me deram. 

É claro, que nós não vamos tirar sempre tudo de letra. Que não seremos fortes e frias a ponto de nunca fraquejar. Mas eu tenho certeza absoluta que a força de Deus sempre será aquele empurrãozinho a mais pra nos guiar e dizer: - Vai minha filha, estou com você! Tenho certeza que a nossa força maior é o amor maior que carregamos por eles e sentimos incondicionalmente. Que parar para descansar é necessário. Que nada como um dia após o outro. E que tudo vai ficar bem.

(Adriana Silva)

Nenhum comentário:

Postar um comentário