20 de junho de 2016

A Síndrome de Turner em Odontologia

Paciente com Síndrome de Turner apresentam, geralmente, as seguintes alterações: crescimento esqueletalcraniofacial desbalanceado, redução da dimensão transversal da maxila e retrusão de ambas as maxilas, alto arco palatal, altas ocorrências de fissuras palatinas,micrognatia, más oclusões (descritas a seguir), erupções dentárias precoces,amontoamento dentário, alterações nas formas dos dentes, tamanho e na espessurado esmalte, reabsorção radicular idiopática. Os “Dentes de Turner” são descritos como dentes permanentes, especialmente  os segundos molares inferiores, que apresentam hipoplasia em suas coroas. Gengivites marginais, bolsas periodontais e mobilidade dentária têm sido descritos em adultos com ST (LOPEZ et al., 2002)5. Uma baixa prevalência de cáries dentárias foi observada em dentes permanentes de mulheres com o cariótipo 45,X (LOPEZ et al.,2002)5. Estudos da morfologia dos dentes em pacientes com a Síndrome de Turner mostraram uma diminuição nas dimensões mesiodistal e bucolingual (KUSIAK, 2005)4. Observaram-se, também, anomalias na morfologia das raízes em pacientes com a síndrome de Turner (LOPEZ et al., 2002)5.Kusiak (2005) 4 relata que as mais freqüentes deformidades são duas raízes nos primeiros e segundos pré-molares inferiores com total desenvolvimento das raízes mesial e distal separada nos ápices. 

Outras características foram observadas em apenas algumas pacientes com a presente patologia, como por exemplo: assimetria unilateral, convergência cervicoincisal de faces proximais de incisivos e borda afiada de incisivos superiores. As cúspides palatinas e linguais de caninos são afiadas e de tamanho normal, cúspides atípicas de pré-molares incluindo redução da cúspide lingual dos primeiros pré-molares superiores e pré-molar cônico. Exames radiográficos mostraram uma redução no comprimento das raízes de pré-molares,rotação do primeiro pré-molar superior,agenesia em incisivos, caninos e pré-molares e diastemas (LOPEZ et al., 2002)5.Em um estudo da oclusão em pacientes com ST as características relatadas verificou-se, quando comparadas com meninas normais, que o overbite foi significativamente reduzido nas pacientes 45,X. A prevalência de oclusão disto-molar e mordida aberta anterior e lateral e mordida cruzada lateral foi significativamente aumentada (MIDTBO e HALSE, 1996)6. Os resultados mostram que pacientes com aberrações estruturais e/ou numéricas do cromossomo X desenvolvem um modelo específico de má oclusão com desvios para sagital, vertical e transversal. O tamanho e a forma da maioria das estruturas craniofaciais são alteradas. A parte posterior da base do crânio é diminuída e o ângulo da base do crânio é aplanado, resultando em uma posição retrognática da mandíbula. A mandíbula é pequena e larga comparada com estreito arco da maxila, a maturação dental é acelerada sendo, também, descritos problemas na erupção (MIDTBO e HALSE,1996)6. Os mesmos autores também relatam que a falta de erupção é uma das causas das anormalidades de mordida aberta. A dentição não tratada em crianças com síndrome de Turner é caracterizada pelo acelerado desenvolvimento dentário, mas a seqüência de erupção dos dentes não é,significantemente, diferente da população normal (HASS et al., 2001)3.


Não existe relato de caso em que o hormônio de crescimento influencia no tratamento do desenvolvimento dentário em pacientes com Síndrome de Turner. Na baixa estatura desses pacientes e no hipopituitarismo, o tratamento ajuda a normalizar o crescimento do esqueleto, mas o desenvolvimento dentário não é significativamente afetado (PERKIOMAKI etal., 2005)8. Distúrbios endócrinos têm sido associados com o retardo ou falha na erupção. Hipotireoidismo e Hipopituitarismo são os mais frequentes exemplos encontrados (MIDTBO e HALSE, 1996)6. Crescimento e mecanismos reguladores parecem ser influenciados por genes existentes no cromossomo X, esses genes influenciam no tamanho dos dentes e da maxila. É evidenciado na literatura que fatores hormonais e ambientais também podem contribuir para anormalidades dentárias(LOPEZ et al., 2002)5. Defeitos gengivais podem sofrer influencia hormonal e de higiene, pois um aumento sistêmico de hormônios sexuais na presença de placa dental é, também, responsável por processos de doenças periodontais (MIDTBO e HALSE,1996, citados por LOPEZ et al., 2002)5.

O planejamento de um tratamento ortodôntico para um paciente com Síndrome de Turner deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar, podendo envolver cardiologista, endocrinologista, geneticista e cirurgião-dentista. O cardiologista está associado com algumas anomalias cardiovasculares e a utilização de uma profilaxia antibiótica. Já o endocrinologista promovendo o crescimento da paciente (RUSSELL, 2001)9. Seu tratamento tem como objetivos principais promover o crescimento, repor esteróides sexuais, corrigir, sempre que possível, as anomalias congênitas ou adquiridas, oferecer suporte psicossocial e, consequentemente, melhorar a qualidade devida das pacientes. Desse modo, acreditasse que a presença de tantos sinais e sintomas, bem como a magnitude dos mesmos, pode causar graves consequências no funcionamento psicológico e social destes pacientes (SUZIGAN et al., 2005)10.

Como a Síndrome de Turner possui uma série de anomalias, é relevante que o cirurgião dentista tenha os conhecimentos básicos de farmacologia, fisiologia, anatomia, genética Hepatologia para que a partir disso possa atender uma paciente com esta patologia, oferecendo lhe um tratamento que conduza ao melhor prognóstico, por isso é necessário que:
a) realize-se uma prevenção da endocardite bacteriana, uma vez que essa síndrome tem elevados índices de doenças cardiovasculares, prevenção esta realizada com profilaxia antibiótica;
b) em casos de tratamento endodôntico de pré-molares, é necessário que o dentista fique atento, pois há maior incidência de duas raízes e com ápices radiculares separados;
c) haja um acompanhamento metódico e criterioso da saúde bucal desses pacientes,pois em função da utilização de hormônios, necessários à função endócrina, ocorrerá um aumento da placa dental, aumentando com isso a incidência de gengivite e periodontite;
d) haja critério à indicação e ao tratamento ortodôntico destes pacientes.
Através deste relato de caso, o presente trabalho objetivou informar aos profissionais da área de saúde, especialmente os cirurgiões-dentistas, a respeito da importância de uma patologia de ordem sistêmica, e de como a mesma pode interferir nas manifestações clínicas,no tratamento e no prognóstico odontológico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário