17 de junho de 2016

Novo tratamento: Medicacamento x Bula

No dia 16 foi a consulta com a Endocrinologista, e no dia 17 a minha filha começou com o tratamento hormonal. A partir do dia 26, percebi ela mais calma, mais carinhosa e alegre. Não que ela é agitada. Mas percebi. 
No 4º comprimido, percebi uma lubrificação vaginal (o que não tinha) e achei ótimo porque de certa forma é uma defesa contra infecções e por ela usar fralda, é mais propensa a ter. A médica pediu pra dar em dias alternados.
Não sei se todos fazem como eu, mas sempre leio a bula antes. Se olharmos atentamente para as reações, contra indicações e riscos, jamais tomaríamos nem remédio pra dor de cabeça por medo. Acontece que quando ele é inevitável sabemos que há o risco de ajudar no problema e aparecer outro. 

Na primeira vez que a minha filha começou a tomar o hormônio (Estrogênio), começou em março de 2014, e antes de completar 1 ano tomando tive que retirá-lo, pela interação que deu com os medicamentos de pressão que toma. Fora que emagreceu, ficou amarela, cabelo caindo, triglicérides altos, e com mudanças comportamentais enormes: da apatia ao nervosismo, depressão e eu nunca sabia como ela ia se comportar. Mesmo assim sempre sorridente, carinhosa. No começo ela engordou 2 quilos, e durante o tratamento percebi que as mamas aumentaram um pouco( quase não tem). Percebi também aumento na quantidade de pelos pubianos, já os da axila nunca deram sinal. 

Então, na consulta de Junho, começou o tratamento com Estrogênios Conjugados, e o nome sempre varia, mas o princípio é o mesmo. Peguei a medicação na farmácia do hospital e vi o laboratório, e fui consultar. O medicamento eu dou com banana amassada já que a minha filha não consegue tomar se eu colocar e dar junto com água. Ele não pode ser partido ao meio, nem amassado, tem que tomar inteiro. 
Percebi que no que o remédio se propõe a fazer ele faz. E a médica me orientou que se tiver algum sintoma desagradável que eu fosse lá nos dias que ela atende mesmo fora do dia do retorno.

O nome da medicação é Premarin 0,625 mg - Embalagem com 28 comprimidos. Ela toma em dias alternados e não faz pausa. Cada tipo de hormônio é diferente a cada caso de Paciente Turner, pois cada uma tem um organismo diferente. O que me deram na farmácia chama-se Menoprin, mas é a mesma coisa, só muda o nome e laboratório. É um medicamento de reposição hormonal o mesmo que se indica à mulher na menopausa a critério médico conforme a necessidade da paciente. O médico avalia qual o medicamento adequado a cada pessoa.

O que esperamos é que não traga reações indesejáveis e que tudo dê certo!


Até a próxima postagem,

Adriana Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário