20 de dezembro de 2016

Reposição Hormonal com Estrogênio, mudanças, e relato de evolução.

A Jaqueline começou tomar hormônio com 15 anos. Tomou por 1 ano, só que devido alguns efeitos colaterais de uma determinada marca de um laboratório específico eu por conta o retirei e informei em uma próxima consulta com a Endocrinologista, e como ela estava com outras coisas deixaram suspenso. Quando tudo estava estabilizado, a pressão melhorada com ajuda de medicamento, o ganho de peso (cerca de 5 quilos +), as alterações cardíacas sem maiores evoluções (cerca de 1 ano e 3 meses depois), ela voltou com a terapia hormonal com estrogênio de outro laboratório (que não dá reações desagradáveis). 

Fiquei um pouco receosa por causa das reações que deram nela da primeira vez, e nessa primeira o começo foi super tranquilo, mas quando começou a tomar os medicamentos da pressão não sei o que houve que a notei com mudanças de humor, comportamento, além de perder peso e ficar muito amarela. Mas a médica me explicou que é necessária, e que sem menstruar é como se ela tivesse na menopausa, que precisava prevenir a osteoporose, então isso pode prevenir a perda da massa óssea, e como ela é cadeirante, não se movimenta como as demais pessoas tem mais chances de ter " ossos de vidro". 

Dessa vez não percebi nenhum fator negativo com a reposição com estrogênio. Muito pelo contrário! Ele está ajudando na indução da puberdade, pois ela não tinha nenhum sinal de seus caracteres sexuais. A única coisa que aconteceu espontaneamente foram os pelos pubianos, e com o hormônio aumentaram a quantidade. Na axila não tem nenhum pelo e nem acredito que vá ter. Os seios começaram apontar e ela não tinha nenhum sinal antes e a lubrificação vaginal está ocorrendo, coisa que não tinha antes. Também percebi aumento das genitálias que antes pareciam infantis.

A única coisa que percebo é que devido ter escoliose, tem um lado do tórax maior do que o outro, e mesmo com a haste na coluna (fez cirurgia em 2011) ele tem formato de barril. Costumo dizer que quando ela está muito cheia de gases parece um tambor. Então, com isso o seio do lado esquerdo é menor do que o direito e desnivelado, mas isso é pura estética, e o médico que a operou disse que não faria outra cirurgia por estética pois é muito arriscada até em adultos. Que teria que quebrar a costela, então totalmente fora de cogitação!

Percebi ela mais alegre, e pensei que até por estar passando por uma fase de adolescência me daria trabalho, mas não... A parte emocional dela está bem. Ela toma em dias alternados, mas em fevereiro passará para todos os dias, então acredito que trará mais mudanças. O GH (Hormônio do Crescimento) não foi dado à ela devido ao seu quadro motor.

Em relação à mim como mãe, quando percebi algumas mudanças um misto de sentimentos me invadiram. Feliz porque ela deixaria de ser infantilizada por ter Turner e estar em tratamento, e confusa, e triste por perder a minha menininha. Apesar de ser pequena, aparentar uns 10, 12 anos ela tem 17, e a idade cronológica que importa. A idade óssea dá diferença de 3 anos aproximadamente exatamente por essa estatura menor. Naturalmente ela começou a desapegar de coisas muito infantis e na minha mente eu tive que desapegar e lembrar que ela não era mais criança. Que é uma adolescente.

Ouvi uma porção de coisas, é claro todos muito válidos, pois inconscientemente vestia ela ainda como criança, e fui mudando tudo. É claro que todos nós temos nossos momentos criança, mas isso pra ela é muito raro. Ela se porta como uma moça mesmo, não liga ha muito tempo pra brinquedos. Gosta de música, ainda ama as bexigas dela, mas acredito que bexiga não tem idade, senão nem existiria em festas não é verdade? Hoje ela participa na escolha de suas roupas, que ao invés de bichinhos tem letras, listras, bolinhas. Parei de comprar coisa cor de rosa, de comprar tiaras e usar enfeites de cabelo mais discretos. Ela adora o ritual dela de higiene e beleza e faço isso desde que ela nasceu. Ela adora estar bonita, limpa e arrumada. Eu acho que não dá pra abandonar totalmente tudo, mas ela esqueceu as músicas infantis, prefere as atuais, o funk, as românticas, as engraçadas. 

Mas ela não perdeu o jeito doce, carinhoso, grudado comigo. Ela tem alguns brinquedos educativos, ursos de pelúcia com luzes, e falam para mim que algumas coisas não condizem mais com a idade que deve ser apresentada a ela outras oportunidades, e os presentes dela agora são diferentes dos de antigamente. Antes eram brinquedos e hoje são roupas, sutiã, sombra para olhos (aliás ela usa as minhas). Eu concordo que ela deve mudar, senão terei pelo resto da vida uma criança, e ainda mais por ela ser pequena e cadeirante. Temos nossos momentos de brincadeiras, de apertar, cheirar, essas coisas de mãe... Nunca vou deixar de fazer isso. Posso ficar bem velhinha, ela pode envelhecer também, mas nossas palhaçadas sempre estão presentes. Não importa se eu andarei mais devagar, sempre vou demonstrar meu amor e permitir o dela comigo. Não vou privar ou censurar ela, e se em algum momento ela começa a cantar o que ela quiser, é opção dela. Sempre quando estou dando banho, ela quer cantar debaixo do chuveiro, então eu pergunto que música ela quer cantar e deixo ela começar e cantamos juntas. Varia muito, desde bordões de coisas da internet, coisas engraçadas, momentos que ela recorda, ela tira sarro ou imita ela ou alguém da família. Volta e meia lembra aquelas músicas que cantávamos quando ela era criança e adorava: Borboletinha tá na cozinha, atirei o pau no gato, etc. 

Hoje, ela está diferente então eu tive que me adaptar. Ela não terá Síndrome de Peter Pan (quando a pessoa não quer crescer, quer ser criança para sempre), e ela mesma mudou, antes mesmo de hormônio. Então eu não posso ficar atrasada. Sim... teremos momentos lúdicos, por que não? Sonhar é para todas as idades! Mas hoje eu aprendi a dar opções de ela querer ser o que ela quiser, de escolher roupas, acessórios. A auto estima dela é ótima, e sinceramente acredito que ela nem perceba a diferença entre ela e as demais pessoas, até porque todos nós somos diferentes e lindos aos olhos de Deus.

Hoje me sinto feliz por minha filha evoluir mesmo com todas as coisinhas que tenho que cuidar nela. Não tem problema... Já passamos tanta coisa, já choramos, já rimos, já erramos, acertamos que tudo é aprendizado! Me sinto feliz por ter crescido junto com ela, e receber e dar amor e carinho dela, e ela ter valores tão importantes de gratidão, alegria e felicidade diferenciados de tanta gente...



Um grande abraço a todos,

Adriana Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário