1 de fevereiro de 2017

Exames Laboratoriais

Hoje foi mais um dia de exames laboratoriais para as consultas que acontecem nesse mês com a Endocrinologista e Nefrologista. Foram colhidos sangue e urina, e é tranquilo pra colher o sangue, o problema é a sonda vesical de alívio para colher a urina e ela não tem controle e nem avisa quando vai fazer, e pelo nervosismo fez quando não precisava e quando precisa não faz. A Jaque estava 12 horas de jejum, e durante a espera fez xixi, que vazou na roupa, na cadeirinha por tudo! Quando passada a sonda na primeira vez saiu bem pouco. Depois, como já podia comer, dei algo para comer juntamente com os remédios e água, e esperamos 30 minutos. Retornamos para a coleta e saiu com muito custo uma quantidade que foi dividida para 2 amostras. A enfermeira me avisou que sonda no máximo 3 vezes, então teria só mais uma se não conseguisse o suficiente pois não é bom ficar sondando por ter risco de infecção. Mas não precisou passar a terceira. É uma caixinha de surpresas se consegue na primeira ou na segunda. Da vez anterior precisou passar 2 vezes e isso é ruim porque pode acusar bactérias. Ainda bem que a médica pede a cultura aeróbia para confrontar qualquer resultado.

É incômodo pra ela a sonda, e o de sangue ela chora a partir do momento que a chamam, e é mais pela situação, de ficar na sala de coleta com a enfermeira do que a picada em si. Quando ela percebe que acabou o exame : Que tirou a agulha passou algodão com álcool, pronto! Ela pára na hora! Um dia antes conversei com ela, mas ela é esperta, ela sabe que ao ficar de jejum terá que fazer exame. Sabe o trajeto para o hospital, que aquele dia é um dia atípico, que acorda muito cedo e sai de casa quando ainda está escuro, e conhece bem o hospital.

A enfermeira estranhou porque ela é Turner e é cadeirante, pois ela disse que a maioria que passa por lá e que atendeu andam normal. Eu expliquei que além da Turner, ela teve Paralisia Cerebral. Ela disse que para quem teve a paralisia está muito bem! E eu contei que ela tem hipertensão e alteração cardíaca, ela disse que as meninas que ela atendeu não tinham.
Mas, como cada caso é um caso, não podemos atribuir tudo à Síndrome. Existem coisas que acontecem na vida de qualquer pessoa, heranças hereditárias, e temos que ir cuidando e lidar com elas.


Até a próxima postagem!

Adriana Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário