10 de fevereiro de 2017

Minha filha não é Turner. Ela tem Turner.


Sempre vou tocar nessa tecla. Por mais justificativas e apontamentos que eu ouça para dizer a respeito de uma determinada patologia, jamais vou encarar a minha filha como a mulher Turner e isso ser uma espécie de rótulo dela. É claro, esse é um dos diagnósticos dela, e talvez se ela não tivesse todo o histórico de nascimento dela devido a falta de oxigênio no parto, poderia nem saber, ou descobrir tarde o que ela tinha. Mas ela não é o diagnóstico ela é uma pessoa.

Mas e daí? Como vou saber se determinadas coisas são disso ou daquilo? Ouvi atentamente quando a Jaqueline era pequena o neurologista dizer: - Ela teve uma lesão no cérebro devido a falta de oxigênio no parto, ela tem a massa cinza e branca da cabeça menor, mas pode ser que ela foi gerada assim.  Depois ouvi da Geneticista dizendo que algumas coisas que tinham era da Paralisia Cerebral como o atraso motor e em nada tinha haver com a Síndrome.

Quanto à Síndrome, isso ou aquilo que foi aparecendo por mais que enfatizado que poderia ser ou não ser, sempre me apeguei ao fato de que se algo novo aparece temos que investigar o que anda acontecendo e tratar. A hereditariedade conta muito, e todos nós temos nossas tendências. 

Minha filha não é Turner. Ela tem Turner o que é muito diferente.Isso é apenas um detalhe. Isso não significa que eu não aceito o diagnóstico, mas não vou olhar para ela como sendo isso. Não vou me afundar olhando negativamente pra ela por mais coisas que tenha que cuidar nela. Sempre vou respirar fundo e olhar para tudo que ela venceu e passou, por ter superado a morte que era eminente quando mal tinha nascido. Ouvi de médicas que ela é um milagre! Então é esse milagre lindo que olho todos os dias me sorrindo, me fazendo carinho, toda meiga, feliz e alegre mesmo passando por tantas consultas, exames, terapias, compromissos. Ela é maravilhosa! E o que importa é a forma que ela se enxerga que é positiva e de máxima auto estima (e pra ser sincera ela nem se vê diferente dos outros e nem percebe por viver a vida intensamente), e a forma que eu e o pai dela a vê. Puro amor, lição de vida, de superação. Tem sim algumas coisinhas, mas ela está nesse mundo e não é a passeio. Ela está em nosso coração, alma, pensamentos, é a razão pelo qual fazemos de um tudo pra vê-la bem. 

É o nosso presente. 


Adriana Silva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário